"Agora é o corpo mesmo pois elas são enormes e mais parecem trombas de elefantes ou grandes papos de aves. É o mesmo problema do abismal…"
Lygia Clark

 


Alunos do Colégio Bandeirantes, de São Paulo, vivenciam Lygia


Tudo começou quando a professora Gisele Ottoboni trabalhou no MAM-SP na ocasião da mostra retrospectiva de Lygia Clark. Na época, lembra Gisele, ela participou de oficinas com educadores.

“Senti-me muito estimulada pela obra e pela história desta artista, principalmente pela obra e vídeo "Memória do Corpo". “Desde então, venho desenvolvendo propostas de reflexão sobre a produção desta artista”, conta a professora.

Gisele é professora de Arte no Colégio Bandeirante desde 2008. Ela foi contratada para criar quatro cursos, diferenciando os conteúdos para cada série do ensino fundamental II, 6º/7º/8º e 9º anos.

No site do Colégio Bandeirantes podemos ver a produção realizada pelos alunos do curso do 7ª ano do ensino fundamental II, cuja faixa etária é entre 11 e 12 anos. Segundo a professora, o curso das turmas do 7º ano chama-se “Arte e Cultura Brasileira”, em que ela aborda a produção cultural e artística no Brasil, apresentando a obra e a biografia de Lygia Clark, entre outros artistas, para trabalhar com os alunos conceitos como arte conceitual, instalações, performance.

Para conhecer mais sobre o trabalho dos alunos do Colégio Bandeirantes com Lygia Clark, acesse:

http://galeria.colband.com.br/main.php?g2_itemId=33636