"Máscaras órgãos. O próprio órgão é tão importante como o corpo do homem. Tão estrutura como ele próprio. É um apêndice em que ele começa a se religar com os próprios membros."
Lygia Clark

 


Lygia Clark: Arquitetura Fantástica instalado em Perry Green


Artista brasileira Lygia Clark (1920-1988) inovou radicalmente a relação entre o objeto de arte e o público. Como co-fundadora do movimento neo-concretista ela trabalhou com a teoria de que a arte deve ser ao mesmo tempo subjetiva e orgânica e que a arte deve ser moldada e manipulada pelo espectador.

Seus bichos (ou seja animal ou criatura)  a partir de 1960 serie nascentes desses princípios neo-concretistas e sua investigação do "plano" na arte. Cada bicho é formada por uma série de placas e unidos por dobradiças. Colocada deitada eles ficam planos, mas quando manipulado por um membro do público assumem formas orgânicas mutáveis​​, a dobradiça lembrando coluna vertebral de um animal.

Arquitetura Fantástica é uma remodelação em grande escala de um bicho que Clark fez originalmente em 1963 O modelo de manipulação  pequeno reinventados em uma escala arquitetônica -Impossível de fazer em sua própria vida, mas finalmente realizado em 2013. As enormes placas articuladas se unem para ecoar as formas orgânicas da paisagem circundante da peça. Nesta forma em vez do espectador segurar e manipular a peça como com os Bichos, pode entrar no trabalho com o corpo inteiro.

Arquitetura Fantástica é emprestado pelo Alison Jacques Gallery e a Associação Cultural "O Mundo de Lygia Clark". A exibição coincide com uma exposição da obra de Lygia Clark no Instituto Henry Moore, em Leeds. Lygia Clark: Planos Orgânicos vai de 24 de setembro de 2013 a 4 de Janeiro de 2015.

www.henry-moore.org/hmf/news/lygia-clark-fantastic-architecture

Arquitetura Fantastica I

1963/2013
Aluminio
520 x 780 x 710 cm
Artwork courtesy The Estate of Lygia Clark and Alison Jacques Gallery, London.

Image copyright O Mundo de Lygia Clark-Associação Cultural, Rio de Janeiro. Courtesy Alison Jacques Gallery, London.

Foto: Michael Brzezinski